Páginas

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Aqui estamos, mais uma vez presos em declínios. Que nuance agradável ficar aqui o tempo todo observando essa linha tênue entre o agora e o depois.


Amando ser de..

Sentada aqui em frente ao computador, noto que mais uma vez me sentei aqui na esperança de criar coisas e revolucionar o mundo com posts em um blogue adolescente o famoso que todo mundo sonha em ter, na verdade ele não é famoso, quase não tem acessos e tem 3 seguidores que há tempos não visitam a página, mas tem aquela coisa conhecida como "amar ser, apesar de ..". Então, esclarecendo que eu amo escrever para mim mesma mostrar quem sou e me entender em meus textos normalmente complicadinhos para mentes normais, mas quem se importa? Estou aqui feliz em escrever para o html por que ele vai me conhecer mais do que eu mesma me conheço e vai me permitir postar para ninguém e alguém que se importe ou não e que me conheça pouco ou não.
Enquanto ouço áudios do whatsapp e minha irmã no notbook do outro lado da mesa cantando a música nova da one direction, acompanhando as "tretas"(brigas) das famosas câncer do fandon. 

O suicídio

Odeio essas garotas que criam uma página sobre suicídio e só postam coisas bobas e clichês sobre estar sozinho e bem ou até mesmo de como a sociedade é contra ela. Cara a sociedade já era assim antes de você nascer e não vai mudar por que você é mimada.
Veio para o mundo vai ter que sofrer e tentar ser feliz, mas basta você querer ver o que é melhor ou pior. Querer valorizar apenas as coisas ruins vai fazer qualquer um ir a loucura ou até mesmo fazer pose de "coitadinha" para todo mundo, mas aposto que seus pais e familiares não sabem que você se faz de suicida e se corta com lâmina de gilete ou de apontador na escola e sai exibindo pelos corredores como troféu. Ah, e tem aquelas que sofrem por menininhos que nem sabem da existência dela. Isso me soa tão infantil.
Claro que temos problemas e é impossível fingir que nada acontece, mas cara ficar fazendo pose já é demais. Tantas pessoas que se matam por motivos que ninguém nem entende, mas podem ser realmente motivos coerentes que significam alguma coisa para humanidade. Querer que todo mundo note você chorando é egoísmo até por que todo mundo chora.
Parece que estou me denegrindo, amo os suicidas por que eles tem coragem de demonstrar o que estão sentindo, não para o mundo, mas para eles mesmos. Por que assumir para você mesmo que você está com problemas e não se sente bem quanto a isso e ter coragem de interromper a vida no meio é no mínimo muito aceitável mesmo que seja um grande egoísmo com as pessoas que estão ao redor dela, mas esses que admiro, não fazem seninhas, não protelam, não chamam atenção, não gritam e não cupão o mundo pelo que está acontecendo com eles.
Tenho muito mais a dizer mais como sempre vou interromper o texto no meio por que eu já devo ter deixado uma palavra solta que não vou conseguir especificar depois e essas palavras que são a chave do que realmente eu queria dizer com o texto.
Obs: ("Não é uma indireta")

Ronnie Radke - Falling in Reverse

Apresento-lhes meu ídolo, Ronnie Radke, um cara "zoeiro" que canta numa banda chamada Falling in Reverse (Caindo ao reverso). Usa da técnica vocal "screamo" o famoso "rock de gente doida". Não sou de acompanhar todos os seus passos e não conheci o começo da sua carreira, vou explicar por que, bem gosto de conhecer a discografia e não a pessoa em si, claro que pesquiso sobre ele de vez em quando e se você entrar nas minhas redes sociais você verá muitas fotos dele e tal. Minha música preferida da banda é Sink or Swin (Afundar ou Nadar) ela expressa bem vários sentimentos que me acompanham meu dia-a-dia e é isso.


Quando alguém chora, é o único jeito de demonstrar o que se está sentindo. Quando alguém chega a esse extremo é por que ela já não tem mais maneiras de sentir sem ferir alguém além dela mesma.Sempre tem uma pessoa que você acha que te ama mais que todo mundo e não digo romances com provas de amor e sim de um amigo ou um familiar. Apesar de tudo ou de todas as coisas erradas que você fez, você acha que ela vai estar lá até que ela diga em alto e bom som "Esqueça que eu sou (isso)" é nesse momento que tudo desmorona. Todas as paredes imaginárias que você criou para te proteger.
Você é alguém indefeso agora. As lágrimas já secas no rosto, parecem um veneno que penetra sua pele. Queima. É a última forma de sentir. Seu nariz ainda escorre e a vermelhidão nele e nos olhos parecem não diminuir, vestígios da explosão.A ingratidão parece maior que o sentimento. O sentimento de amar o próximo e de o acolher como alguém que também precisa de atenção e carinho. Uma supremacia. Contraditório como sempre ou na maioria das vezes e se alguém chegar a ler isso aqui nunca vai entender quem ou quê, palavras soltas por que? Talvez para que ninguém entenda o motivo dos meus milhares de motivos e pedidos de desculpas.





Autora:  Nayara Rodrigues | Nayara Lef